Saúde Oral nos Idosos


Portugal é o 5º país mais envelhecido do mundo, sendo que daqui a 30 anos quase metade da população portuguesa deverá ter mais de 55 anos. Perante estes números, é importante reflectir sobre a saúde oral nos idosos.


Nos idosos, há uma maior fragilidade oral, com maior propensão para perdas dentárias, doenças periodontais e cáries.

A falta de dentes traz consequências graves na saúde física e emocional, diminui a capacidade de mastigação, contribui para défices nutricionais e aumenta o risco de aparecimento de outras doenças. A ausência de dentes dificulta a comunicação interpessoal, e por vezes leva ao isolamento das pessoas.


As cáries dentárias (destroem os dentes) e a periodontite (destroem os tecidos que suportam os dentes) são dois dos factores que levam à perda de dentes.

A toma diária de medicamentos, é outro dos fatores que influenciam a saúde oral nesta faixa etária. Os medicamentos para anti-hipertensão, anti-depressivos, anti-histamínicos entre outros, reduzem a produção de saliva, que tem uma ação muito importante na boca. Com a diminuição de saliva, a boca fica mais vulnerável ao aparecimento e/ou agravamento de problemas orais, como cárie dentária e doenças periodontais.


A perda de dentes não é uma consequência do envelhecimento. Os seus dentes podem durar uma vida, se fizer uma boa higiene oral e consultar regularmente o seu higienista oral.


A solução para a falta de dentes não passa apenas por colocar próteses removíveis, marque uma consulta de avaliação com o Dr. Pedro Mota e veja as soluções com implantes que temos para si. Volte a sorrir, mastigar e falar sem preconceitos.